E Quando o Problema Não é o Cliente?

Se está começando (ou já está na estrada) do freelance, é normal reclamar de alguns clientes que não aprovam (logo) o projeto e fica pedindo milhões de alterações. Mas como saber se o problema não é com o cliente e sim com a gente que não consegui mostrar transmitir a ideia ou sugerir uma melhor opção?

Esse post não é para dizer que todos os clientes são bonzinhos, mas tentar mostrar que existe os dois lados da moeda. Entender o que seu cliente está pedindo tornasse mais fácil alcançar o objetivo dele. Como designer essa é nossa função, resolver problemas visuais dos clientes.

Antes de falar mal daqueles que nos dão dinheiro (vamos acreditar que todos pagam) pense nos possíveis bloqueios que faz você acreditar que o problema está no cliente:

  • Entender o pedido do cliente: Realmente conseguiu entender o que seu cliente está pedindo? Se surgi um pedido de criação de logo para a agencia de fotografia, é normal pensamos em elementos que compõe o mundo fotográfico, mas será que foi isso que ele pediu no briefing? Com os estudos e conhecimentos que você possui, é normal dizer “não faz sentido colocar um logo de cachorro na sua agencia de fotografia”, mas e se fosse dito que a especialização é “fotos de pet”, não seria algo a se pensar na hora de criar o logo?
  • Saiba dizer não:  Saber dizer não tem um lado positivo. Alguns clientes podem pedir um “projeto bonito”, mas por insegurança, indecisão ou qualquer outro motivo, pode ficar pedindo inúmeras alterações. Saber dizer não, não quer dizer que você que quer fazer, mas que existe outras alternativas, mas cabe a você argumentar que aquela pode não ser uma boa opção.
  • Estar cansando: Alguns clientes acreditam que por esta pagando, tem o direito de espremer até o último instante e por conta disso o designer se sentirá cansado/desmotivado em produzir o trabalho, não vendo a hora de terminar para se livrar e não por resolver. Muitas vezes isso é ruim, pois passa a bloquear o que o cliente está pedindo por cansaço do cliente e não do trabalho.
  • Não trate um trabalho como comum: Você tem que abraçar a causa, pesquisar, sugerir,  etc. Se está acostumada o seguir sempre o mesmo modelo (só porque funciona), quando chegar um cliente que possibilita a exploração de um novo conceito, por estar numa zona de conforto, é normal começar a dizer “como esse cara viaja nas ideias. Não é assim que o mundo funciona”.  As vezes a gente não está preparado para desenvolver um projeto que vai contra todo o estudo e conhecimento que temos.

Lembro que um amigo pediu para fazer um layout de um show/paredões de som, que ele faria. A ideia e conceito para criar o layout foi totalmente fora do que estava aprendendo na faculdade. Depois de mostrar varias possibilidades “legais” de diagramação, ele aprovou o que estava pedindo desde o inicio, que ia contra toda diagramação que estava aprendendo na faculdade. No inicio achei até caricato, mas hoje entendo que na verdade não estava preparado para aquele trabalho. Hoje sei que se um cliente quiser um trabalho “daquele jeito”, devo apresentar dois projetos, o que considero e o que o cliente considera “legal”.

Ter boa relação com o cliente não é fazer tudo que pede, pelo contrario, é saber dizer “não”, mostrando as possíveis melhorias e tentar até seguir por outro caminho, mas sem deixar de ouvir a ideia do seu cliente. Muitas vezes ouvir e fazer a ideia do cliente requer maturidade para deixar o ego de “artista” que designers têm (afinal, somos artistas e muitas vezes não gostamos de critica), para fazer aquilo que nos pedem.

 

 

Marcado com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *